O mito do big data

TransObjetO

por Lucia Santaella

big_data

Diante do gigantismo da avalanche de dados e do volume informacional que passou a habitar as nuvens, a revista Wired, no seu número de 16/07/2009[1], lançou um artigo de teor sensacionalista sob o seguinte título: A era dos petabytes: porque mais não é apenas mais – mais é diferente. A chamada do artigo diz: “Sensores em todos os lugares. Arquivamento infinito. Nuvens de processadores. Nossa habilidade para capturar, armazenar e compreender quantidades massivas de dados está mudando a ciência, a medicina, os negócios e a tecnologia. Na medida em que nossa coleção de fatos e figuras cresce, assim também cresce a oportunidade para encontrar respostas para questões fundamentais”. O texto desenvolve um argumento cerrado do qual extraí alguns trechos mais polêmicos que seguem abaixo.

Ver o post original 1.189 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s